SIGN UP FOR NEWS

Como manter as raparigas na escola?

De acordo com os últimos números da UNESCO, 52 milhões de raparigas frequentam a escola em África. Quatro milhões de raparigas nunca irão entrar numa sala de aula. Não poderão ler ou escrever, não poderão compreender as prescrições médicas, as instruções de segurança ou ajudar os seus filhos com os trabalhos de casa.

É por isso que a educação das mulheres está frequentemente na vanguarda do trabalho de desenvolvimento em África. Mas a ONU admitiu que embora a disparidade entre os sexos tenha diminuído, o progresso está a estagnar.

Claude falou com três mulheres que fizeram da sua missão a educação de raparigas. O que é que nos está a correr mal? Como podemos manter as raparigas na escola?

Noëlla Coursaris Musunka é uma filantropa, modelo, fundadora e diretora executiva de Malaika. A escola de Malaika fornece ensino primário e secundário gratuito e acreditado a 400 raparigas na região sudeste da República Democrática do Congo.

Cara Myers é a co-fundadora da Iniciativa do Almoço Escolar de Moçambique, uma organização sem fins lucrativos que investe em programas de almoço escolar de propriedade da comunidade para melhorar a nutrição infantil e colocar as crianças na escola.

Djénéba Gory é uma especialista em educação do Mali, que se formou em Harvard Kennedy School of Government. É a co-fundadora da Suadela, uma organização que tem como objectivo desenvolver as capacidades de negociação das raparigas.

Gostou do episódio? Por favor responda ao questionário aqui.

Cara Myers, Djénéba Gory, Noëlla Coursaris Musunka